Projetos de áreas externas

2015-01-22 projetos de áreas externas

Um recanto ao ar livre é sempre bem-vindo, seja qual for o espaço disponível. Tanto em residências com grandes extensões de jardim quanto em sacadas de apartamentos, é possível criar um ambiente de convívio com o verde ou para contemplar a vista. Na hora de criar o projeto, o mobiliário escolhido para a área externa é sempre um ponto de atenção. Além da tecnologia envolvida nos materiais que ficam expostos às intempéries, a estética buscada pelos profissionais de arquitetura e paisagismo se impõe.

Para contemplar o verde: toda a forração do jardim nesta casa foi feita com grama japonesa, por ser mais fina e exigir pouca manutenção. Parte do paisagismo conta com buxinhos intercalados com estrelizias na saída da área social
– Grande parte das referências do mobiliário externo é de inspiração oriental (Japão, Indonésia, Asia em geral), pois estão simbolicamente ligados ao relaxamento do corpo e da mente – opina o arquiteto Alexandre Viero. – Também existe forte referência ao que é produzido na Europa, principalmente nos países que desfrutam boa parte da vida na rua (franceses, italianos, espanhóis). São ideias que refletem tanto o estilo eclético quanto o contemporâneo, de linhas retas e leves – completa Viero.

Sombra providencial: no entorno da piscina foi instalado piso atérmico em peças de 60cm x 60cm, assim como na borda da piscina, mas com o efeito peito de pomba para controle da água. A piscina tem dois níveis: no primeiro, mais raso, com 30cm de profundidade, é possível acomodar as espreguiçadeiras na água
Materiais sintéticos imperam no mobiliário
O projeto desta casa em Canoas, região metropolitana de Porto Alegre, segue essa premissa. O conceito empregado pelo arquiteto Marcelo John foi manter as linhas retas da residência refletidas na área externa. Conforto foi o item mais destacado pelos proprietários desde a primeira conversa, bem como aproveitamento máximo da piscina.
– O posicionamento no terreno foi um item muito estudado para garantir o maior tempo de sol possível. A marcação da piscina foi pensada durante a obra com o estudo da projeção de sombra da casa – explica Marcelo.
Ao redor da piscina de seis metros quadrados, os móveis dispostos permitem o convívio de família e amigos no verão. As espreguiçadeiras com estrutura de alumínio e tela sintética podem ser até mergulhadas na parte rasa da piscina. Sob um pergolado de garapeira na saída da área social, o sofá e a poltrona em madeira cumaru têm estofados de tecido aquablock.

A natureza por companhia
A proximidade com o Guaíba é o encanto desta residência na Zona Sul de Porto Alegre (foto abaixo), propriedade do arquiteto Alexandre Viero. Nos 100 metros quadrados da área externa, o profissional buscou refletir o estilo bucólico do jardim, localizado em meio a árvores nativas centenárias na beira do Guaíba que filtram muito a luz.
– O estilo compõe com o lugar e a cor intensa alegra e ilumina o pátio – explica o arquiteto.
Devido à umidade da beira do Guaíba, o deque de madeira ipê, com 7m x 3m de extensão, está instalado a 90cm do solo.
As duas cadeiras de madeira, com espaldar alto (1m10cm de altura), são bem tradicionais, de inspiração colonial europeia. Seu uso foi incrementado com a colocação de dois bancos, extensores de pernas, próprios para o relaxamento.
Também a cor dos móveis, em pintura com linha automotiva acetinada no tom bambu, foi proposital para ressaltar e compor com as plantas. Ali, uma palmeira imperial de 180 anos recebeu a companhia de filodendros rasteiros, murtas, bromélias e camélias brancas.

Terraço integrado
Ambientes abertos costumam ser pensados para que as pessoas possam ficar mais tempo ao ar livre.Foi a partir daí que o arquiteto Daniel Dillenburg,da Bladihaus Arquitetura,junto à decoradora Fabiana Riolfi, desenvolveu o projeto deste terraço de 30 metros quadrados no bairro Três Figueiras, em Porto Alegre.O ambiente localizado na saída da área de churrasqueira do imóvel é demarcado pela distribuição de móveis para sentar e relaxar e também mesas de apoio e ombrelone, circundados por vegetação.
– O mobiliário foi escolhido para que houvesse uma composição de ambientes de estar bem elaborados e com uma
aparência estética agradável e acolhedora – explica Daniel.
A madeira escolhida é específica para área externa: segundo o arquiteto, a mobília necessitará de manutenção apenas depois de muitos anos de uso e exposição ao sol e à chuva. A mesa lateral é de ferro com tampo e mosaico, compondo com os seat garden de cerâmica. A poltrona montada a partir de um pallet tem design da Studiomama e acabamento em stain incolor,mantendo uma aparência bastante natural.

Extensão da casa
Uma sacada ligada diretamente ao living que mantivesse a mesma linha do projeto de interiores: o pedido dos moradores deste apartamento em Porto Alegre ao arquiteto Ricardo Cavichioni foi atendido a partir da escolha do mobiliário clean.

– As estampas florais, que durante muito tempo eram quase obrigatórias em áreas externas, estão dando espaço aos tecidos lisos e listrados – explica Ricardo sobre a ambientação dos 24 metros quadrados.
O peso e a facilidade de locomoção foram fatores importantes na escolha dos móveis. Havia a preocupação em escolher móveis leves para que pudessem ser movidos com facilidade.
O sofá e o pufe escolhidos atendem à necessidade. Somam 1m60cm de largura x 0,86cm de profundidade e têm estrutura em alumínio com pintura automotiva no tom fendi, com os encostos em tecido impermeável. A mesa de centro é feita com lascas de bambu tratadas.
O desejo de ter uma área de relaxamento,com pontos de contato visual com a natureza do exterior do imóvel, está representado na parede atrás dos móveis. A cortina verde conta com samambaias, escolhidas pela fácil manutenção,e plantas dollar,ideais para meia sombra, mas também tolera sol direto.
O guarda-corpo em vidro duplo com perfil de alumínio branco permite a entrada da luminosidade natural. No padrão concreto,o piso porcelanato rústico, com peças de 1m20cm x 60cm, também tem a resistência necessária para revestir espaços externos.

Pergolado charmoso
Um antigo canil foi transformado pelo arquiteto Rico Mendonça para funcionar como um pequeno orquidário nesta casa em Florianópolis. Em 12 metros quadrados, além do jardim com plantas, há espaço para receber amigos. O profissional optou por usar uma estrutura de ferro pintado de preto fosco como pergolado. O piso de PVC imita madeira, e placas cimentícias de 1m x 1m revestem a parede lateral do ambiente.
Os materiais foram escolhidos por sua manutenção fácil e resistência às intempéries. O deque foi executado com réguas de PVC imitando fresa de madeira (um tipo de corte abaloado). Este revestimento se repete em outras duas paredes do espaço externo.
– Um destaque é a iluminação da parede, que ficou bem cênica: à noite, ela “lava” o muro de concreto com luz – explica Rico.
No orquidário em tamanho pocket, o arquiteto escolheu orquídeas que possam pegar sol. Já as pedras de seixos foram todas resgatadas de uma área sem uso de outro jardim.

Fonte: Casa e Cia

  • Compartilhe:
  • Pin It